Quinta-feira, 17 de Julho de 2014

Vou contar-vos outra estória

 

Era uma vez um País, que de repente achou que devia deixar de apoiar tudo e todos, o dinheiro do Estado não podia ser utilizado para esses ditos vulgares absorvedores de subsídios e outras coisas do género.

 

Declarou que todos eram iguais e que portanto, as grandes empresas os bancos e outras do género não iriam, também, ser ajudadas pelo Estado e no fundo, pelo dinheiro de todos os seus cidadãos. É claro que isto levantou um coro de protestos, não só dos seus cidadãos, em geral, como também de todas as forças vivas da Nação, partidos da oposição, sindicatos, etc e tal.

 

Que não podia ser, que não havia dinheiro e coisa e tal e vai daí aplica a medida, lembrando-se de antemão o que ocorrera numa grande intervenção estatal num banco em dificuldades porque além de não estar ao serviço da sociedade em que se inseria, estava a criar ricos, demasiado ricos à custa de umas engenharias contabilísticas que acabaram em fracasso rotundo, deixando porém, alguns ricos muito mais ricos.

 

Claro que o erário público foi chamado a pagar a factura, ou seja, os portugueses que nada tinham a ver com o assunto, mas que eram acusados de viverem à grande e à francesa, tiveram de alargar os cordões à bolsa para ajudar um banco que criou riquinhos mas que não têm capacidade de pagar a aberração que criaram.

 

Ora sabendo tudo isto, o responsável pelo governo achou por bem, no que foi muito aplaudido, não estender a mão, digo ajudar a salvar outro banco que se achou em determinada altura, também, em dificuldades, mesmo sendo um banco familiar e de gente que detinha muito poder no País, tanto poder que se confundia com a própria governação da Nação.

 

Pois bem, não foi ajudado, directamente, o responsável pela governação foi aplaudido e tudo parecia correr bem, tendo a tal família que arcar com as consequências. Mas como nem tudo são rosas, e para que o mal não se estendesse a outros bancos, foi criada a necessidade de substituir essa família na gestão do seu banco, levando-os a perder toda a sua importância no panorama da Nação.

 

Nomeados que foram outros responsáveis pelo dito banco, a coisa parecia correr sobre rodas, até porque o principal responsável nomeado e aceite pela generalidade dos accionistas, era tido como gente de bem e de uma seriedade a toda a prova, para prová-lo, bastava ouvir as suas declarações públicas em que verberava os cidadãos do País, acusando-os de terem vivido acima das suas possibilidades e que até era melhor baixar-lhes os rendimentos, para aprenderem a não ter essa mania de grandezas. Um verdadeiro liberal que achava que o Estado não tinha nada que se meter nos negócios privados e nem tinha de ajudar ninguém, muito menos empresas privadas.

 

Homem sério e responsável ia por as coisas nos eixos, mas tinha um problema, logo que assumiu o comando do tal banco, viu que afinal nada conseguia fazer sem a ajuda do Estado, de nós todos. Como iria então resolver o assunto? Muito facilmente, recorria à ajuda que a Europa tinha concedido a todos os governos através de um fundo de ajuda à capitalização dos bancos, nunca aos cidadãos dessa mesma Europa. Lindo.

 

Assim e para finalizar a estória concluiremos com um devaneio da mente sobre este hipotético País que, se por acaso se assemelhar com alguma realidade é pura coincidência.

 

O responsável do governo é aplaudido por não ajudar o dito banco, uma nova administração é nomeada e a ajuda que parecia negada pelo responsável do governo entra pela porta dos fundos através do tal fundo de capitalização dos bancos cedido pela generosa Europa.

 

E por isto se dizia que directamente o banco não foi ajudado, mas por portas e travessas, matam-se dois coelhos de uma só cajadada, aparece-se publicamente como salvador das finanças públicas e por baixo do pano da mesa, lá vai dinheirinho para a ajuda, não só do tal banco como do tal super gestor que era avesso a essas ajudas e os que eram maus por viverem acima das suas possibilidades, lá iam entrar de novo na roda viva de pagar aquilo que de que não beneficiaram e de que não tinham culpa nenhuma.

 

Linda estória, não vos parece?


publicado por: canetadapoesia às 03:03
link do post | comentar | favorito

.Mais sobre mim


. Ver perfil

. Seguir meu perfil

. 15 seguidores

.Pesquisar

 

.Abril 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.Posts recentes

. Consoada numa terra dista...

. Finalmente juntos (39º Ca...

. Encontro ao fim da tarde ...

. Num país diferente (37º C...

. Sobrevivência (36º Capítu...

. Evolução na confusão (35º...

. Preocupação (34º Capítulo...

. E agora? Que fazer? (33º ...

. Uma oferta excepcional (3...

. Inesperado (31º Capítulo)

.Arquivos

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Julho 2017

. Maio 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Agosto 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Julho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

.Links

SAPO Blogs

.subscrever feeds