Sexta-feira, 26 de Maio de 2017

Lembro-me como se fosse hoje

 


Tinha dezassete anos e era órfão de pai!

 

Obrigado desde cedo a trabalhar para se sustentar e viver, ali estava, a setecentos quilómetros de casa, longe de uma mãe que se tornara guerreira pelas agruras da vida e de um irmão que, sendo mais novo, logo teria de se atirar à luta também!

 

Eram os tempos da solidão e desespero, eram os tempos em que a segurança social não existia, eram os tempos em que o melhor podia aparecer com o recrutamento militar, eram os tempos mais negros que se podiam viver!

 

Instalado num modesto quarto de pensão de quarta categoria, ali tinha o seu pequeno e restrito mundo que, mesmo sendo pequeno, não o iludia quando ao regressar do trabalho o via remexido e revoltado pela perícia dos inquisidores que procuravam e não se cansavam de o fazer. Porque simplesmente tinha um amigo que era um alvo referenciado e, como tal, também o poderia ser!

 

Durante alguns anos, três, mais precisamente, ali comemorou os aniversários, longe de todos os seus, longe de tudo, cercado pelo silêncio mais atroz que se possa imaginar, sem festas, sem bolos de aniversário e as únicas velas acesas eram as da lâmpada do tecto que mal iluminavam o aposento.

 

Num pequeno rádio de pilhas ouvia alguma coisa do mundo, o que permitiam, claro, e deitado sobre a cama sonhava que um dia, um qualquer dia desta vida, as coisas poderiam vir a ser diferentes, até poderia vir a ser uma pessoa como as outras que ali deitado sonhava.

 

Nesses momentos ouvia música e ficou-lhe na memória uma que acabara de ser lançada, “A day in the life”, pelo agrupamento que havia de ser reconhecido mundialmente como “The beatles”.

 

Como essa música o marcou, como ela o acompanhou, sempre na esperança dos dias sonhados e melhorados em função da música!

 

Eram os dias tristes e acabrunhados de quem tinha de fazer pela vida, mesmo sendo ainda menor de idade porque nessa altura a maioridade era aos vinte e um anos!

 

Eram os dias do fim de uma meninice que havia sido feliz, eram os dias do tormento, do silêncio e da solidão atroz que jamais será esquecida!

 

Era o início de mais quatro anos sem retrocesso, numa guerra que não devia ter sido!

 

Vidas marcadas pelo destino incontrolável!

 

Sem culpados, sem lamentos, sem remorsos, sem nada de palpável que nos alegrasse os dias, só a vida em toda a sua robustez!


publicado por: canetadapoesia às 21:53
link do post | comentar | favorito

.Mais sobre mim


. Ver perfil

. Seguir meu perfil

. 15 seguidores

.Pesquisar

 

.Junho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.Posts recentes

. Orgulho

. 10 de JUNHO

. A república revisitada

. Consoada numa terra dista...

. Finalmente juntos (39º Ca...

. Encontro ao fim da tarde ...

. Num país diferente (37º C...

. Sobrevivência (36º Capítu...

. Evolução na confusão (35º...

. Preocupação (34º Capítulo...

.Arquivos

. Junho 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Julho 2017

. Maio 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Agosto 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Julho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

.Links

SAPO Blogs

.subscrever feeds