Sexta-feira, 18 de Outubro de 2013

Gorduras a Eliminar

 

Nos tempos que correm e já de há anos a esta parte, tem sido recorrente a frase “eliminar gorduras”. Tudo o que é gente importante, pré-importante, pós-importante ou mesmo vontade-importante, tem sempre na ponta da língua, muitas viperinas, uma frase que cale os pretensos opositores, os anti-mudança, os contra Globalização e até os pró-Glocalização.

 

Complicado? Baralhados? Já percebem como as pessoas se sentem quando saem estes palavrões e se põem a pensar no que dizer, responder ou questionar. Claro que nem tempo têm para o efeito pois eles saem em tal catadupa e velocidade que nos deixam atordoados.

 

Mas enfim, só queria mesmo falar de um deles, daquele que mais efeitos nefastos têm tido na nossa economia, sociedade e nas pessoas em geral. Naquele que, apesar de ter sido criado com uma nobre ideia de defender a economia e as empresas, rapidamente se transformou numa ferramenta usada por estas para a pior utilização.

 

Naquele que, penso eu com os botõezinhos da minha camisa, podia ser bem e mais, muito mais utilizado em prol daquilo para que foi criado ou antes, a favor da ideia que brilhantemente o adicionou à crise que nos afectou enquanto player da economia Global em que o mundo se tornou.

 

Vai daí, pensando e recriando um conjunto de dados dispersos e algumas experiências pessoais chego à conclusão, que não pode ser brilhante pois sai da minha cabecinha que não é nada como as que inicialmente mencionei, que devia por dever, como agora se usa de novo dizer, patriótico, que há muito deixei de ter, ser parte da solução.

 

Ora aqui reside um pequeno problema, que não quero que seja existencial mas que seja interventivo, será que tomarão em devida conta, que se atreverão a pensar nele, que tentarão de alguma forma perceber esta perturbada cabecinha?

 

Não sei, também não me interessa, se não se importam com coisas mais importantes porque razões irão dar uma olhada por esta pequena intervenção de cidadania de quem nem aparece nos telejornais? E porque haveria de ter uma intervenção de cidadão preocupado se o que interessa é que eu pague os meus impostos, de preferência a tempo e horas, não importando os sacrifícios que isso contempla, e que, de vez em quando, vá botar o papelinho dobrado nas nobres urnas de voto.

 

Pois com tanta conversa, quase me esquecia do que muito a custo vinha sugerir como forma de eliminar as tais gorduras em excesso que por aí proliferam. É sabido que muitas foram eliminadas nos sectores privados, mesmo com a certeza de que muitas o foram por pura oportunidade de aproveitar a ideia para deitar para fora das empresas quem não nos agradava. Outras foram eliminadas no sector público, muito poucas que há muita clientela em jogo.

 

Outras há, em sectores do Estado que muito preocupam todas as pessoas que virão a utilizar esses serviços, que ainda não foram eliminadas. Por outras palavras, elimiram-se algumas neste sector de que falo, a Segurança Social, mas essas eram só as chamadas gorduras boas, as que não fazem mal ao colesterol, as grandes, as que entopem as veias e não deixam fluir o sangue com normalidade não foram sequer mencionadas.

 

E quais são essas más gorduras que sugiro sejam eliminadas de imediato para bem do colesterol e da saúde em geral do nosso Sistema de Segurança Social? Muito simples, as pensões que se acumulam com duvidosas legalidades e mesmo assim só permitidas por um mau sistema ainda vigente.

 

Se se cortam percentagens de ordenado ou de subsídios e até se eliminam sem grande alarido ou hipótese de contestação pelos atingidos, por maioria de razão se deveria poder efectuar os cortes necessários nas ditas pensões, que de moral só têem a parte final da palavra imoral.

 

Pensões em duplicado, triplicado, e mais outras quantas, pensões ganhas após seis meses de trabalho e sem terem descontado o suficiente para merecerem honras de afectarem negativamente as estatísticas, pensões abusivas que só deitam abaixo o sentido dever do Estado dar uma pensão justa a quem para ela toda a vida pagou.

 

Isto sim, seria “Eliminar Gorduras”, isto sim seria moralizar a sociedade, isto sim seria traçar um rumo em direcção àquilo que todos esperam e pensam ser um país civilizado.

 

Dúvidas? Dificuldades? Aconselho um estudo “in loco” nos países nórdicos que são campeões nesta matéria e até vivem bem melhor que nós.

Outras haverá, mas dessas falarei mais tarde.


publicado por: canetadapoesia às 17:48
link do post | comentar | favorito

.Mais sobre mim


. Ver perfil

. Seguir meu perfil

. 15 seguidores

.Pesquisar

 

.Abril 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
28

29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.Posts recentes

. A república revisitada

. Consoada numa terra dista...

. Finalmente juntos (39º Ca...

. Encontro ao fim da tarde ...

. Num país diferente (37º C...

. Sobrevivência (36º Capítu...

. Evolução na confusão (35º...

. Preocupação (34º Capítulo...

. E agora? Que fazer? (33º ...

. Uma oferta excepcional (3...

.Arquivos

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Julho 2017

. Maio 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Agosto 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Julho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

.Links

SAPO Blogs

.subscrever feeds