Quinta-feira, 17 de Outubro de 2013

Made in Portugal ?

 

Passo a vida a defender os produtos portugueses, que se compre, que se consuma o que aqui se produz embora tenha a noção que muito se deixou de produzir e aparentemente cada vez se produza menos.

 

Culpas? Culpas há muitas, somos nós que nos deixamos embalar pelo canto da sereia, que deixamos que os vários governos tenham deitado abaixo a nossa produção nacional e que nos tenhamos acomodado ao facto de bastar receber dinheiro da EU para nada produzir já era muito bom.

 

Não era, não é, nunca será.

 

Deixámos de ter uma situação que se ia tornando cada vez mais confortável em matéria de produção de bens alimentares, por exemplo de quase cinquenta por cento de cereais que produzíamos face ao que importávamos descemos para vinte por cento, não se faz. E não se faz porque altera e deteriora a balança comercial, com mais importações do que deveríamos ter, ajudando ao aumento do défice das nossas contas e, ao fim destes anos, nos levou a esta triste situação de termos de novo o FMI em Portugal.

 

O FMI em Portugal não é tão mau como possam pensar, perdemos soberania, dizem alguns, mas isso não se deve ao FMI, deve-se a quem tem governado estes anos todos sem o fazer para o país que jurou defender mas para outras coisas que não vêem agora ao caso.

 

Ao FMI só peço uma pequenina coisita, fiquem muito tempo, fiquem o tempo que for preciso para que voltemos a ser um país, mesmo que no fim já não haja portugueses para ver o resultado.

 

Já me estou a afastar do que queria dizer, tenho este problema, falo pouco mas tenho uma cabeça como muita gente tem a língua, ávida de se mexer e então as ideias multiplicam-se, cruzam-se, sobrepõem-se e tenho dificuldade em me concentrar numa só ideia.

 

Mas do que eu queria falar era dos produtos portugueses e da sua aquisição e consumo, farto-me de dizer que o devemos fazer, procurar nas prateleiras dos supermercados os produtos fabricados e produzidos cá e, pelo menos em termos de igualdade de preços, optarmos por eles, ajudando a economia nacional e os produtores que nos são próximos.

 

Hoje senti-me triste, muito triste, porque se os cidadãos procuram defender esta ideia dos produtos nacionais, melhor seria que as empresas, os empresários portugueses também o fizessem e até o fizessem mais e melhor, até em benefício próprio.

 

Hoje fui almoçar a um local dos poucos que estão abertos ao Domingo e que conhecia e sabia o que têem sempre disponível nesse dia, Cozido à portuguesa e Bacalhau à lagareiro, escolhi o último. Adoro aquele sabor mediterrânico, bacalhau muito português, azeite quanto baste e o sabor do alho, fantástico.

 

Mas o imponderável aconteceu, pedi palitos no fim da refeição. Qual não é o meu espanto quando deparo com palitos, palitos senhores coisa que é feita em quantidade e qualidade neste país, pois os palitos eram americanos “Made in USA”, fiquei incrédulo, não acreditei, peguei noutro e mais outro, não havia dúvidas eram mesmo palitos fabricados nos USA.

 

Incrível, pensei, podia ser que fossem muito mais baratos mas até nisso tenho dúvidas. Estes empresários não estão na nossa onda de consumir o que é português e nós, então, também a temos de repensar ou, no mínimo, eliminar aqueles que não querem ajudar o país, deixar de consumir o que estes ingratos empresários produzem, há outros.

 

Incrível, palitos americanos.


publicado por: canetadapoesia às 18:40
link do post | comentar | favorito

.Mais sobre mim


. Ver perfil

. Seguir meu perfil

. 15 seguidores

.Pesquisar

 

.Abril 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.Posts recentes

. Consoada numa terra dista...

. Finalmente juntos (39º Ca...

. Encontro ao fim da tarde ...

. Num país diferente (37º C...

. Sobrevivência (36º Capítu...

. Evolução na confusão (35º...

. Preocupação (34º Capítulo...

. E agora? Que fazer? (33º ...

. Uma oferta excepcional (3...

. Inesperado (31º Capítulo)

.Arquivos

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Julho 2017

. Maio 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Agosto 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Julho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

.Links

SAPO Blogs

.subscrever feeds