Segunda-feira, 13 de Janeiro de 2014

Momentos do futuro livro "Os três mafarricos - Noite escura, Meia de Leite e Branquelas".

"Estava-se na primavera destes amigos tão chegados, ainda vinha longe o tempo da separação, o tempo em que cada um deles, pensando pela sua própria cabeça, resolveria dar caminho ao seu destino. E o destino tinha preparado um caminho para cada um, separado dos outros, seguiriam por ele até onde estavam marcados para o seguir e mais tarde, quem sabe, talvez voltassem a trilhar o mesmo rumo outra vez, ninguém sabia, ninguém adivinhava. As nuvens iam-se juntando sobre as suas cabeças mas estavam longe ainda. Havia tempo para gozar estas aventuras de menino e esta amizade que se esperava fosse eterna.

O dia ia correndo, a tarde a descair para a noite e a mangueira, mais uma vez, a ser testemunha muda de uma vizinhança feliz. Quantas vezes já assistira a estas festas, comemorações e outros eventos de cariz amistoso, perdia-lhes a conta, eram os exames da quarta classe, eram os aniversários e até a recuperação de Meia de Leite servia para festejar. Viviam felizes e festejavam essa felicidade de maneira alegre, convivendo uns com os outros. Assim se queriam os bons vizinhos, os amigos que sofriam com a dor dos outros que se uniam em torno das dificuldades de cada um para as tentar superar com essa união de onde, afinal, lhes vinha a força de combate diário a uma vida que nada tinha de facilidades.

As luzes acenderam-se na rua, no quintal ainda se apreciava o aparecimento da lua sobre as suas cabeças, acompanhando o seu desenvolvimento com mais umas trincadelas e uns golinhos à mistura. A conversa corria solta, de um lado os filhos, sempre motivo de agrado e orgulho e de conversa, com as suas diabruras e as vitórias alcançadas nos estudos para os quais muito pouco se esforçavam, diga-se em boa verdade, era o indispensável para não chumbar e chegava. Do outro lado o estado do país, a guerra que não acabava, as políticas implementadas, os receios com o futuro dos filhos.

Não me conformo com isto, anda um pai a criar um filho para depois o meterem sabe-se lá para onde, sujeito a ser trespassado por uma bala qualquer que lhe tire a vida, não têm o direito de dispor dos nossos filhos assim. Ainda se víssemos um fim a isto, dizia outro, valia o sacrifício, mas é que não se vê nada. Pois não, dizia o outro, isto nunca acabará porque é um cofre-forte para alguns, vêm aqui ganhar dinheiro como nunca ganharam e sempre à custa dos mesmos, se quisessem de verdade já isto tinha acabado há muito. Preocupação de pais que viam aproximar-se a passos largos o dia em que os filhos seriam chamados às fileiras."


publicado por: canetadapoesia às 17:09
link do post | comentar | favorito

.Mais sobre mim


. Ver perfil

. Seguir meu perfil

. 15 seguidores

.Pesquisar

 

.Junho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.Posts recentes

. Orgulho

. 10 de JUNHO

. A república revisitada

. Consoada numa terra dista...

. Finalmente juntos (39º Ca...

. Encontro ao fim da tarde ...

. Num país diferente (37º C...

. Sobrevivência (36º Capítu...

. Evolução na confusão (35º...

. Preocupação (34º Capítulo...

.Arquivos

. Junho 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Julho 2017

. Maio 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Agosto 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Julho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

.Links

SAPO Blogs

.subscrever feeds