Quinta-feira, 28 de Novembro de 2013

Um agradecimento que já tardava

 

Estou atrasado.

 

E isto só acontece porque ainda dava crédito a promessas que afinal, em nenhum caso, foram cumpridas.

Mesmo assim acreditei que ainda poderiam vir a sê-lo.

 

Neste momento, já não acredito, estou até incrédulo como é possível que alguém se comprometa com algo que de imediato e logo que assume o comando do País, altera, manipula, torce e não cumpre.

 

Mentiram.

 

Mentiram a milhões de portugueses que também acreditaram que seria, de facto, como prometiam.

 

Apesar de tudo, coerente com os meus receios, não fui um deles, não lhes dei a minha bênção e nem o voto lhes confiei é que como diz o popular ditado “gato escaldado de água fria tem medo” e eu receei que fosse conversa mole, não me enganei.

Mesmo assim, dei o benefício da dúvida respeitando os que nele confiaram e acabei confirmando os receios que tinha quando, com alguma tristeza, deixei de por a cruzinha naqueles que representavam aquilo em que sempre acreditei.

 

Por tudo isto, me cumpre então expressar o meu profundo agradecimento.

 

Agradeço pois, a todos os que deram o seu voto a quem mentiu e traiu os princípios da ética política e do respeito para com os seus concidadãos, com um simples intuito, aceder ao poder.

 

Agradeço penhoradamente por terem permitido que, os meus fracos rendimentos bem como o de outros milhões de portugueses, tenham vindo a ser pura e simplesmente esbulhados, o que verifico quase mensalmente, em prol de uma crise de que não tenho responsabilidade pois não sou proprietário de nenhum banco.

 

Mais agradeço, pelo esforço que me tem sido exigido e a tantos milhares de outros portugueses, sem que, apesar dele, nada tenha mudado, nem a dívida nem o défice e muito menos o desemprego e a fome que grassam por este País fora e de que muito me envergonho.

Oxalá, os que neles depositaram o voto reconheçam o desperdício que foi e sintam em si a mesma vergonha que eu sinto.

 

Tudo em vão, dinheiro deitado fora depois de retirado pela força de uma legalidade cada vez mais duvidosa.

 

Agradeço pois, a todos os que votaram para que este governo fosse eleito. 


publicado por: canetadapoesia às 14:40
link do post | comentar | favorito

.Mais sobre mim


. Ver perfil

. Seguir meu perfil

. 15 seguidores

.Pesquisar

 

.Junho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.Posts recentes

. Orgulho

. 10 de JUNHO

. A república revisitada

. Consoada numa terra dista...

. Finalmente juntos (39º Ca...

. Encontro ao fim da tarde ...

. Num país diferente (37º C...

. Sobrevivência (36º Capítu...

. Evolução na confusão (35º...

. Preocupação (34º Capítulo...

.Arquivos

. Junho 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Julho 2017

. Maio 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Agosto 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Julho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

.Links

SAPO Blogs

.subscrever feeds