Domingo, 24 de Novembro de 2013

De trágico a grotesco

 

 

Sempre pensei que o último reduto não seria destruído.

 

E o último reduto na, minha opinião, seria sempre a Assembleia da República onde pontuam os representantes, dizem, do povo português eleitos por voto não directo é certo, mas directo ao partido que o propõe.

 

Aqui aparecem as minhas dúvidas, o partido propõe para que seja eleito numa lista qualquer e afinal o que é que ele representa? Quem representa? De que é que ele é responsável?

 

Pois a resposta está exactamente no triste espectáculo a que assistimos na discussão do Orçamento do Estado para 2013. Nunca imaginei que um palco que deveria servir para tomar decisões a bem do país se transformasse numa luta de galos tentando, cada um à sua maneira, cacarejar mais alto que o outro.

 

Assim não, meus senhores. Agora de cada vez que os noticiários visarem imagens e sons dessa casa é necessário colocar bolinha vermelha no canto do ecrã e mandar as criancinhas para a cama mais cedo.

 

É intolerável que onde as atitudes deviam ter elevação se encontrem tão baixas.

 

É inadmissível que deputados da nação se percam em linguagem imprópria, em atitudes de agressão verbal com tal verborreia de palavras e tão baixos resultados práticos na governação da Nação.

 

Não desculpo ninguém, todos estão no mesmo saco.

 

A amostra é claramente de pouca qualidade como ficou demonstrado.

 

E que dizer dos que criam uma condição de guerra permanente até conseguirem os seus intentos, no caso baixar a aspereza do O.E., e logo a seguir vêm dizer que não têm nada com ele? Isto parece uma brincadeira de crianças só possível porque se mantêm em alternância no poder à custa deste martirizado povo.

 

Isto, meus senhores, não são políticos responsáveis.

 

Isto é a monumentalidade da baixeza a que uma casa de grandes tradições Republicanas chegou.

 

É trágico e grotesco o aspecto que se dá, interna e externamente.

 

A verdade é que a casa não tem culpa, mas sim quem a habita, e o que me assusta é que o povo português vai voltar a cometer o mesmo erro em que vem incorrendo desde o 25 de Abril de 1974.

 

Caros PARaLAMENTARES, elevação não é só nos ordenados e nas benesses que o cargo lhes oferece, é sobretudo na responsabilidade com que se exerce, na clareza dos processos que se utilizam, nas propostas que se fazem, no conhecimento do país.

 

Elevação é servir o povo português, estar ao serviço deste povo sem dar estes tristes espectáculos.

 

Estou mesmo agoniado com esta gente.


publicado por: canetadapoesia às 12:29
link do post | comentar | favorito

.Mais sobre mim


. Ver perfil

. Seguir meu perfil

. 15 seguidores

.Pesquisar

 

.Junho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.Posts recentes

. Orgulho

. 10 de JUNHO

. A república revisitada

. Consoada numa terra dista...

. Finalmente juntos (39º Ca...

. Encontro ao fim da tarde ...

. Num país diferente (37º C...

. Sobrevivência (36º Capítu...

. Evolução na confusão (35º...

. Preocupação (34º Capítulo...

.Arquivos

. Junho 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Julho 2017

. Maio 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Agosto 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Julho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

.Links

SAPO Blogs

.subscrever feeds